Área Restrita
Destaque
enade

Notícias

Inscrições para o Fies começam na próxima semana
28/07/2015

Inscrições para o Fies começam na próxima semana

As inscrições para o processo seletivo da segunda edição de 2015 do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) serão abertas na próxima segunda-feira (3), pela internet. Os candidatos terão até quinta-feira (6) para fazer a inscrição. O cronograma e as regras desta edição do Fies estão em edital publicado na edição de ontem (27) do Diário Oficial da União. O resultado da pré-seleção será divulgado no dia 10 de agosto, em chamada única. Os estudantes pré-selecionados deverão concluir a inscrição na internet e completar o processo no estabelecimento de ensino e na instituição financeira. Quem não for pré-selecionado passa a integrar a lista de espera. No final de junho, o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, anunciou que nesta edição seriam ofertadas 61,5 mil vagas , com prioridade para os cursos das áreas de engenharia, saúde e a formação de professores e para as regiões Norte, Nordeste e Cento-Oeste, excluído o Distrito Federal. Taxa de juros - Nesta edição, entram em vigor as novas regras para o Fies anunciadas pelo Ministério da Educação, e os estudantes passam a ser selecionados de acordo com a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para os novos contratos, passa a valer a taxa de juros de 6,5%.De acordo com o edital, o estudante poderá se inscrever em um único curso e turno de graduação dentre aqueles com vagas ofertadas no processo seletivo. Durante o período de inscrição, o estudante poderá alterar a opção de vaga.Podem se inscrever no processo seletivo do Fies, conforme o edital, os candidatos que não tenham concluído curso superior, tenham participado do Enem a partir da edição de 2010, obtido média a partir de 450 pontos no exame e não tenham tirado nota na redação.Outro critério é que o candidato tenha renda familiar mensal bruta per capita de até 2,5 salários mínimos. Quem concluiu o ensino médio antes de 2010 pode participar mesmo que não tenha feito prova do Enem. Nesse caso, o critério para a classificação seguirá uma fórmula que leva em conta itens com renda familiar e raça. Clique aqui para acessar o edital completo. Clique aqui para acessar a resolução completa. Fonte: Yara Aquino Edição: Valéria Aguiar Veículo: Agência Brasil 0

MEC seleciona representantes para comissão escolar indígena
27/07/2015

MEC seleciona representantes para comissão escolar indígena

O Ministério da Educação (MEC) procura representantes do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Rio Grande do Sul para participar da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena. O prazo de inscrição vai até o dia 31 de julho e pode ser feita por e-mail ou pelos Correios. Podem participar da seleção organizações indígenas que atuam com os povos nos territórios em que eles habitam. São considerados todos os povos indígenas que moram em terras localizadas nesses estados, ainda que parcialmente, independentemente da existência de processo de reconhecimento de terra indígena em órgão oficial. Os representantes e as organizações indígenas por eles representados assumirão a responsabilidade de estabelecer diálogo permanente com os diversos povos indígenas localizados em seu respectivo estado ou região. A comissão é um órgão colegiado de caráter consultivo, criado em 2009, para assessorar o MEC na formulação de políticas para a educação escolar indígena. A comissão reúne representantes governamentais, da sociedade civil e dos povos indígenas. Mais detalhes no edital. Fonte: Agência Brasil

Instituto cria rede social com conteúdo educativo e de gestão
24/07/2015

Instituto cria rede social com conteúdo educativo e de gestão

Ao adotar a ferramenta mais popular dos últimos tempos, o campus de Ceilândia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) cria rede social própria, fortalece a comunicação entre escola e comunidade e inova nas práticas educacionais. É a IFSocial, rede on-line que funciona basicamente como o conhecido facebook, mas com conteúdos educativos, informativos e também voltados para a gestão escolar. Ainda em fase experimental, a IFSocial é fruto de projeto de pesquisa dos professores Jocênio Marquios e Laura Misk. “Uma preocupação foi oferecer um ambiente semelhante ao das ferramentas existentes, com o diferencial de que, na nossa rede, teremos controle do conteúdo e poderemos instalar módulos próprios, como fóruns e blogues”, afirma Marquios. Com o apoio de recursos conhecidos dos usuários de redes sociais, como chat e feed de notícias, a IFSocial possibilitará aos professores a postagem de conteúdos específicos de cada disciplina. Ações de formação profissional e pedagógica dos docentes do instituto também estarão disponíveis na rede. “Isso é compartilhar conhecimento: uma atividade específica de capacitação de professores, mas aberta a todos”, diz Luciano de Andrade Gomes, diretor de ensino, pesquisa e extensão do campus de Ceilândia. A IFSocial foi criada para proporcionar comunicação e integração entre gestão, servidores e alunos no campus, mas passou a ser um projeto institucional. A rede será incorporada ao domínio do instituto com uma versão acadêmica e outra para a intranet do IFB. “A educação precisa de novas ferramentas que permitam a estudantes e docentes estar mais perto, com linguagem atual”, avalia o reitor do instituto, Wilson Conciani. “Seu uso educacional é um potencial enorme na construção do saber.” A rede social apresentará conteúdo pedagógico, calendário acadêmico, informações técnicas, agenda de atividades, videoconferências, transmissão on-line, programação de eventos e todos os recursos hoje disponíveis na internet com fins educativos. “Temos a convicção de que a ferramenta não vai ficar só no IFB, mas pode crescer para toda a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, gerando um grande repositório de dados”, diz o professor Marquios. Fontes: Portal Mec - Ana Cláudia Salomão

Alunos da rede pública do país recebem medalha de ouro em matemática
23/07/2015

Alunos da rede pública do país recebem medalha de ouro em matemática

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, disse hoje (20) que quanto mais o Brasil for um país justo e proporcionar oportunidades, mais livres serão os jovens para escolher seus caminhos profissionais, pessoais e de inteligência. Janine se dirigia aos alunos premiados na edição de 2014 da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), na cerimônia de entrega das medalhas no Theatro Municipal, no centro do Rio de Janeiro. “O mundo que se abre diante de vocês não é trivial. É um belo e grande mundo”, apontou. Para o ministro, o desempenho dos estudantes favorece o crescimento do país. “Se eu posso sugerir uma coisa, orgulhem-se muito da história de vida que vocês já têm e pensem na história de vida que vocês vão construir com muito carinho, muita ambição, porque todos merecem.” O ministro da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, que também participou da cerimônia, elogiou o empenho dos estudantes premiados, que tiveram de enfrentar dificuldades, por morarem em regiões com pouca estrutura e, ainda assim, conseguiram conquistar medalhas. Para ele, também é preciso lembrar que o Brasil tem lugares, como comunidades indígenas, onde a população não tem conhecimento da matemática. “É preciso que no nosso esforço de promover o ensino de matemática tenha a decisão de retirar da exclusão lamentável parte de nossa população que não sabe nem contar”, analisou. Mais de 18 milhões de estudantes, de 99,41% dos municípios do país, disputaram as premiações. Do total, 501 conquistaram medalha de ouro, 1,5 mil de prata e 4,5 mil de bronze. Quando a competição começou, em 2005, eram cerca de 10 milhões de estudantes. Na avaliação do coordenador-geral da Obmep e diretor adjunto do Instiutto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), Cláudio Landim, a olimpíada é um projeto com grande impacto na qualidade do ensino da matemática. “Essa é uma grande contribuição, mostrando que a olimpíada é muito mais do que uma prova. Pode ser instrumento eficaz de mobilidade social no país”, comentou. Landim destacou que, além de participar da competição, os alunos que conquistam medalha de ouro podem passar por uma seleção e garantir bolsa para estudar em uma universidade do país, concedida pelo Instituto Tim, no valor de R$ 1,2 mil. A oportunidade pode se estender também para o exterior. “A primeira seleção foi feita este ano, e uma aluna escreveu dizendo que foi admitida para a Universidade de Helsinque [Finlândia], e gostaria de saber se pode continuar com a bolsa para prosseguir seus estudos. Isso mostra a qualidade da seleção que foi feita”, explicou. As trigêmeas Fábia, Fabíola e Fabiele Loterio, de 15 anos, estão no 1º ano do ensino médio e estudam na Escola Estadual Alice Holzmeister, na zona rural da cidade de Santa Leopoldina, no Espírito Santo. As jovens conquistaram medalha de ouro na olimpíada de 2014. Para as três, o estudo de matemática ficou muito mais fácil e agradável depois que começaram a participar da olimpíada, em 2011. Fabíola e Fabiele ainda não se decidiram sobre o curso que vão fazer na universidade, apesar de saberem que será algum na área de ciências exatas, mas Fábia não tem dúvida. “Eu quero fazer matemática”, contou. Fábia disse que participar da olimpíada abre portas e mostra como o estudo pode mudar a vida do estudante. “Passei a gostar muito mais de matemática. Sempre gostei, mas depois da Obmep [o interesse] foi muito maior", disse, revelando que estava emocionada em receber o prêmio. Para Fabiele, a forma como a matéria é apresentada é que conquista o aluno. “Usa também mais lógica e força a pensar. Não é como na escola. É diferente.” Todos os medalhistas de ouro têm direito de participar do Programa de Iniciação Científica (PIC), no qual durante um ano têm aulas de matemática aos sábados em universidades públicas do país. Eles recebem bolsas de R$ 100 por mês em recursos liberados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O ministro Aldo Rebelo informou que não haverá cortes neste investimento. “Tudo que há de compromisso já firmado pelo CNPq será mantido, inclusive as bolsas de iniciação científica.” Fonte e imagens: Agência Brasil

Educador transforma geladeiras em bibliotecas para a população do DF
22/07/2015

Educador transforma geladeiras em bibliotecas para a população do DF

Iniciativa foi criada pelo educador popular Lucas Rafael, morador do Guará há 16 anos O pequeno Nícolas Heero de três anos brincava na Praça da QE 17, localizada no Guará II, Distrito Federal. Ao ver uma geladeira pintada perto dos parquinhos ele logo correu para ver o que tinha dentro. Ao abrir, a grande surpresa. "Ué, mas não tem comida", disse. O espanto não é apenas das crianças. Os adultos também se surpreendem ao verem dezenas de livros dentro do refrigerador que estampa a frase "Doe livro. Leia e devolva". São diversos exemplares dos mais variados temas. Há livro de quadrinhos, romance, língua estrangeira, crônicas, revistas e até apostilas para concurseiros. A iniciativa do projeto veio do educador popular Lucas Rafael, 30, morador do Guará há 16 anos. "Me inspirei no açougue T-Bone que disponibiliza livros nas paradas de ônibus há alguns anos. Porém, quando chove ou venta demais, as obras ficam danificadas. Como já usava a geladeira em casa para guardar documentos, coloquei alguns exemplares e disponibilizei para a população na QE17. Fiquei surpreendido com o resultado. As pessoas estão sempre doando e as obras não ficam danificadas". O pai de Nícolas, Renê Elvis, 26, aprovou a iniciativa. Segundo ele, faltam projetos que ajudem a despertar o interesse pela educação. "Nunca imaginava que ali [geladeira] era praticamente uma biblioteca. Pensei que ela estava para doação ou outra coisa. O mais interessante é que os livros estão em bom estado e você pode levar para casa, devolver e até doar alguns. Isso mexe com a imaginação, principalmente das crianças". A estudante Maria Eduarda Diniz, 14, também se surpreendeu ao saber do projeto. Apaixonada por histórias em quadrinhos, ela já levou alguns exemplares para cada. Um deles é a revista 'Histórias Encantadas', da Disney. "Sempre gostei de ler. Entretanto, no Guará não há uma biblioteca pública e como livros são bem caros, não tinha como comprar. Agora, vou vir toda semana pegar algum gibi", comemora. Nícolas Heero, de 3 anos, lê livro da geladeira com seu pai Renê Elvis O projeto de Lucas vem se estendendo com o tempo. Além do refrigerador na QE 17, há outra na QE 32. A iniciativa tem colaboração de um grupo de grafiteiros que utilizam a arte como forma de chamar a atenção dos moradores. "Sem as cores, as pessoas iriam achar que a geladeira está abandonada. Queremos despertar o prazer da leitura nas pessoas e mesmo sem ajuda do governo, vamos conseguir", diz. A iniciativa também expandiu para a região de Samambaia que já conta com dois refrigeradores. O educador acredita que apenas a educação consegue mover sonhos e esperança. Um exemplo disso é o livro que ele está lendo no momento e que foi pego na própria geladeira. "A obra conta a história de uma catadora de lixo que só tinha estudado até a 2ª série e, com a leitura, escreveu um diário e conseguiu publicá-lo em mais de 13 línguas. É inspirador', diz. Falta apoio - Todo o material necessário para a criação e manutenção do projeto sai do bolso de Lucas. Ele tenta no momento uma parceria com Secretaria de Cultura para disponibilizar livros de artistas locais. "A população nos ajuda bastante com doações. Mas queremos levar a geladeira para cada Praça do Distrito Federal. O que desejamos é refrescar ideias e ventilar novas construções de mundo e de personalidade." O taxista Francisco Lima, 59, sonha com uma geladeira perto de casa. Como não mora no Guará, ele não consegue ter acesso ao acervo diariamente. "Adoro ler crônicas e as obras que estão disponíveis são maravilhosas e de graça. Adoraria ter essa biblioteca próxima a mim. Como ainda não é possível, ajudo como posso. Sempre que consigo dar um pulo aqui [Guará] coloco alguns livros que guardava em casa." Fonte e imagens: UOL / Jéssica Nascimento

Tempo livre para brincar também educa, dizem especialistas
21/07/2015

Tempo livre para brincar também educa, dizem especialistas

Brincar é coisa séria. Por meio da brincadeira - não apenas de jogos educativos ou de atividades orientadas por adultos - as crianças aprendem lições importantes, como se relacionar umas com as outras e obedecer a regras. Assim, é imprescindível que haja tempo para a diversão. Segundo especialistas, no entanto, pais ansiosos pelo sucesso dos filhos têm se esquecido ou valorizado pouco esses momentos. Desde os anos 1940, pesquisas sobre o desenvolvimento humano já identificam o protagonismo das brincadeiras na formação das crianças, sob os aspectos cognitivos, emocionais, físicos, sociais e morais. Mais recentemente, a neurociência identificou evidências de como o cérebro recebe e processa informações e estímulos colhidos do ambiente pelos sentidos e a importância do brincar nas sinapses - ligação entre neurônios. "Os neurocientistas mostraram que os afetos positivos na interação da criança com o adulto geram sentimentos de segurança e prazer, fatores imprescindíveis para a saúde mental", explica a educadora Adriana Friedmann, em um estudo encomendado pela Bauducco. Pesquisadora do tema, Adriana afirma que a ansiedade excessiva dos adultos acaba deixando em segundo plano as necessidades dos pequenos. "A gente não tem realmente respeitado o ritmo das crianças. Tudo precisa ter equilíbrio." Alguns pecadilhos são comuns no dia a dia. Por exemplo: quando o pai apressado ou o professor interrompe uma brincadeira abruptamente, desmontando um mundo, uma linguagem que estavam sendo construídos. Ou ainda o adulto que intervém sem necessidade enquanto a criança brinca sozinha, o que é natural entre os mais novos. "Os pais podem ser bons observadores das ações e interações infantis, sabedores que, ao brincar, a criança está talhando sua visão de mundo", afirma a professora aposentada da Universidade de São Paulo (USP) Zilma Oliveira. A educadora alerta que, muitas vezes, a escolas também falham. "Nas escolas, predomina a ideia do ensino centrado no professor e as brincadeiras livres costumam ser vistas como lazer, ignorando seu valor na promoção de importantes aprendizagens, ainda que fora do menu pedagógico." Para os pais - Coordenadora pedagógica da Escola Stance Dual, de São Paulo, Liliane Gomes conta que é necessário investir no diálogo com os pais para que eles entendam a importância das atividades livres. Na unidade, os alunos costumam ter três momentos ao longo do dia em que ficam livres. "Principalmente em relação às crianças de 5 anos, os pais ficam muito ansiosos de que eles estejam lendo e escrevendo. Precisamos de reuniões extras para que eles diminuam essa ansiedade", explica Liliane. "Quando elas brincam, aprendem a resolver os problemas. E essa é a meta da vida." Até mesmo fora do ambiente escolar, a pressão por resultados do brincar é sentida. A pedagoga Paula Kesselman coordena o espaço Mamusca, na zona oeste da capital paulista, onde pais levam seus filhos para brincar. "Tivemos dificuldade no começo porque muitos pais nos perguntavam: 'Eles vão ficar soltos assim?" O Mamusca mantém educadores observando ou sugerindo brincadeiras, histórias, além de oficinas - que não têm horário definido. O espaço abriu ainda a Escola de Pais, para aproximar os adultos do livre brincar. Enquanto era amarrado em uma brincadeira pelo filho Giovanni e pela amiguinha Julie, ambos de 4 anos, o engenheiro João Arantes, de 50 anos, disse que sabia a importância do brincar. "Em casa, a gente faz laboratório de desenho e de massinha. A gente se diverte muito", afirmou o professor universitário. "Quero que ele tenha autonomia para decidir." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

20/07/2015

Hoje é o último dia para participar da lista de espera do ProUni

Hoje (20) é o último dia para participar da lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni). A lista será usada pelas instituições de ensino para ocupar as bolsas que não foram preenchidas nas etapas anteriores. Podem participar os os estudantes que ficaram de fora da primeira ou segunda chamada, além daqueles que foram selecionados, mas na segunda opção de curso escolhida na hora da inscrição. Os estudantes cujo curso escolhido em primeira opção não formou turma poderão concorrer à segunda opção. Para participar da lista, basta acessar o site do ProUni e confirmar a adesão. Os estudantes serão convocados pelas instituições de acordo com a nota que tiraram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014. A relação dos candidatos participantes da lista será divulgada na quinta-feira (23). Todos deverão comparecer, entre os dias 24 e 27, nas respectivas instituições e entregar a documentação para comprovar as informações prestadas na inscrição. O ProUni seleciona estudantes para bolsas de estudo parciais ou integrais em instituições privadas de ensino superior. Nesta edição, são ofertadas 116.004 bolsas. Fonte: Agência Brasil

17/07/2015

Começa hoje prazo para participar da lista de espera do ProUni

Os estudantes que não foram pré-selecionados para as bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem, a partir de hoje (17), participar da lista de espera do programa. A lista será usada pelas instituições de ensino para ocupar as bolsas que não foram preenchidas nas etapas anteriores. O prazo para participar da lista de espera vai até segunda-feira (20). Para participar da lista, basta acessar o site do ProUni e confirmar a adesão. Os estudantes serão convocados pelas instituições de acordo com a nota que tiraram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014. A relação dos candidatos participantes da Lista de Espera será divulgada no dia 23 de julho de 2015. Todos os candidatos participantes da Lista de Espera deverão comparecer, entre os dias 24 a 27 de julho de 2015, nas respectivas instituições e entregar a documentação para comprovação das informações prestadas na inscrição. Além dos estudantes que não foram selecionados nem na primeira nem na segunda chamada do programa, podem participar da lista de espera aqueles que foram selecionados, mas na segunda opção de curso, escolhida na hora da inscrição. Eles poderão concorrer a bolsas na primeira opção de curso. Os estudantes cujo curso escolhido em primeira opção não formou turma poderão concorrer, na lista de espera, à segunda opção de curso. O ProUni seleciona estudantes para bolsas de estudo parciais ou integrais em instituições privadas de ensino superior. Nesta edição são ofertadas 116.004 bolsas. Fonte e Infográfico: Agência Brasil

16/07/2015

[Anúncio] Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente

Professores, Coordenadores e comunidade acadêmica da Faculdade Meta, conheçam os Prêmios “Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente”. Esses eventos são realizados conjuntamente em edições anuais e de forma itinerante nos estados que integram a Região Norte, em 2015, a sede escolhida foi Porto Velho, capital do estado de Rondônia. O valor total da premiação para cada categoria será de R$ 65.000,00 (sessenta e cinco mil reais). O prazo para inscrição dos projetos vai até 30 de agosto de 2015. Não perca tempo! Clique aqui para maiores informações.